11 de outubro de 2016

Capitão João Pereira Mano, um covagalense cuja memória nunca deverá ser esquecida

João Pereira Mano, nasceu  na  Gala, então freguesia de Lavos, concelho da Figueira da Foz, em 2 de Setembro de 1914. 
Filho, neto e bisneto de pescadores, ficou órfão de pais aos 12 anos de idade. Mesmo assim, embora com dificuldades de vária ordem,  tirou o curso elementar da Escola Náutica, tendo obtido, talvez “motivado”  pelas circunstâncias, a melhor classificação do curso. 
Depois da  reforma, aos 61 anos, dedicou-se à paixão de sempre - a investigação (principalmente nos arquivos de Lisboa, Coimbra e Aveiro) da história das povoações do litoral figueirense, em especial as origens dos pescadores da Cova e da Gala...
Faleceu em Lisboa. Os restos mortais do Capitão João Pereira Mano, repousam desde a tarde do dia 10 de agosto de 2012, uma sexta feira, no cemitério de Lavos.

Foi graças ao labor do Capitão João Pereira Mano,  o maior investigador figueirense  e profundo  conhecedor da história marítima do concelho da Figueira da Foz, autor de livros fundamentais para o conhecimento das nossas raízes, como “Lavos, Nove Séculos de História” e “Terras do Mar Salgado”, tudo resultado de décadas de investigação aturada em fontes directas, que ficámos a conhecer o nosso passado e a nossa raiz histórica.
Até agora, a única e verdadeira pesquisa histórica sobre as origens da Cova e Gala, foi realizada pelo Capitão João Pereira Mano.
O seu interesse pelo passado do litoral foi sempre de carácter historiográfico, certamente influenciado pelas suas estreitas ligações ao concelho da Figueira. Antes da publicação dos seus estudos, esta temática era praticamente ignorada pela historiografia local. Havia uma lacuna de conhecimento, que o Capitão João Pereira Mano com o seu esforço, de muitos anos, ajudou a minorar, contribuído decisivamente para a clarificação da Historia do litoral português. Mas, o mais importante na sua obra, foi ter realizado um trabalho sério e rigoroso, que contribuiu  para a construção de um conhecimento mais estruturado do nosso passado. 
A historiografia é uma ciência social, com métodos específicos, que se fundamenta na leitura de fontes documentais. Por isso, a historiografia  não pode ser conivente com a existência de dogmas – muito menos de dogmas do foro politico. Dogmas e mitos não podem – ou pelo menos não devem – interferir na pesquisa histórica, que deve ser efectuada com isenção e rigor científico. 
Quem ler os livros do Capitão João Pereira Mano, nota facilmente que conseguiu manter a isenção nas investigações que levou a cabo, privilegiando sempre o rigor e a seriedade nas suas pesquisas. 
Há vidas que valem a pena. Foi o caso da longa vida do Capitão João Pereira Mano.
Morreu com 97 anos de idade.

Ficaram os livros do Capitão João Pereira Mano:  — "Terras do Mar Salgado: São Julião da Figueira da Foz - São Pedro da Cova-Gala - Buarcos - Costa de Lavos e Leirosa..." (1997) e "Lavos: Nove Séculos de História" (2000) — são as melhores obras que, desde sempre, foram escritas e publicadas sobre a História Marítima e Local da Figueira da Foz.
Por isso, a mais digna, a mais útil e mais adequada de todas as Homenagens que deveriam ser prestadas a este covagalense falecido  em 07 de agosto de 2012 — um autor que nos dias da sua vida foi não somente o maior e o mais prestigiado de todos os capitães da Marinha Mercante da Figueira da Foz (condecorado em 1973 com a Medalha Naval de Vasco da Gama da Marinha Portuguesa) mas também o maior e o mais importante de todos os especialistas da História Marítima Figueirense (sem que, para isso, tenha precisado de ter sido licenciado ou doutorado em qualquer espécie de universidade) — é a rápida reedição facsimilada dos seus livros, os quais, desde há muitos anos, estão totalmente esgotados, e por isso há muito deixaram de ser acessíveis ao grande público.
Reedição que até seria  muito fácil e muito barata, pois, pela parte do editor, sem fins lucrativos, CEMAR-Centro de Estudos do Mar), tal como sempre, à sua boa maneira, não pretende receber, nem um só cêntimo de dinheiro público e, pela parte da impressora original, a Tipografia Cruz & Cardoso, casa de tão grandes tradições na História Cultural da cidade da Figueira da Foz, tanto quanto sabemos, existem ainda hoje em dia lá conservados os materiais originais da impressão, e portanto poderá ser feita uma reimpressão a qualquer momento, com toda a facilidade.
Fica o alerta a quem de direito...

Sem comentários:

Enviar um comentário