5 de outubro de 2016

GENTES DO MAR

Foto Pedro Agostinho Cruz
Gentes do mar, pescadores – é o que somos.
A liberdade de ir ao mar e voltar, devolve-nos a nós mesmos. Faz-nos ser o que somos. Fazer o que queremos. E o que gostamos.
Este é o nosso trabalho. O nosso destino. A nossa faina.
A nossa luta pela sobrevivência, é uma vida dura, mas libertadora, que nos alivia e protege dos olhares dos outros – os que ficam por terra.
O mar tem poder – um imenso poder, tão imenso que pode provocar mesmo a mudança dentro de nós.
O mar, este mar da Figueira, é como a alma da sua gente.
Limpo.
Pelo menos era assim que as almas deviam ser.
Gentes do mar, pescadores - é o que somos.
Temos a liberdade de fazer o que queremos e gostamos.
De viver e morrer nesta vida que a gente transporta dentro de nós.
Que vai e volta.
Sobre as ondas do mar.

Pequena nota.
O texto acima, foi escrito por mim, de propósito, para uma Exposição fotográfica do meu sobrinho Pedro Agostinho Cruz, que decorreu entre 14 de Maio e 12 de Junho de 2011, no CAE. Foi escrito por um filho, neto e bisneto de pescadores. Foi neles que me inspirei.

Sem comentários:

Enviar um comentário